Cadastre-se
Confira 4 dicas para implementar o inventário rotativo na oficina de funilaria e pintura!

Confira 4 dicas para implementar o inventário rotativo na oficina de funilaria e pintura!

Na grande parte das vezes, gerenciar uma funilaria pode ser uma tarefa desafiadora. Afinal de contas, esse é o tipo de empreendimento que reúne uma série de funções, serviços e técnicas, exigindo atenção e disciplina do gestor em comando. Sendo assim, aproveitamos este post para apresentar o conceito de inventário rotativo.

Como perceberá nesta leitura, essa é uma boa solução para a gestão do negócio da sua oficina, facilitando o controle do estoque e melhorando a produtividade das equipes. Portanto, não perca a chance de otimizar os seus serviços, descobrindo mais sobre o tema!

Inscreva-se e receba os melhores conteúdos sobre gestão de oficinas e rentabilidade.

O conceito e importância do inventário rotativo

O inventário rotativo nada mais é do que uma prática gerencial. Com ela, o estabelecimento realiza a recontagem de seu estoque periodicamente — com intervalos diários, semanais, quinzenais ou mensais. A certo modo, quanto menor o período, maior a atualização no acompanhamento.

Porém, o que realmente importa é a integração desse processo com a realidade do seu negócio. Caso a funilaria apresente uma demanda constante, com alta rotatividade de peças e tintas, pode ser interessante realizar a recontagem em períodos menores, garantindo maior precisão e, com isso, uma reação mais rápida para identificar a escassez de algum produto.

As 4 melhores dicas para implementar essa solução

Agora, chegamos no momento prático deste conteúdo. Com um segmento cada vez mais competitivo, é importante que você adote novas práticas e tecnologias para alavancar os resultados do seu negócio. Veja só!

1. Elabore uma lista padrão para o seu inventário

A primeira etapa consiste em definir os parâmetros básicos desse checklist, no qual você deverá listar os produtos e criar categorias para ranqueá-los, tais como: condição, quantidade, fornecedor, demanda na loja, tipo de componente e afins.

2. Conte com a tecnologia

Cadastrar peças e produtos é uma etapa fundamental para garantir a organização do seu estoque. Mas aqui, especificamente, recomendamos que você invista na modernização desse controle e cadastramento.

Afinal, se você realmente pretende alavancar os seus resultados, precisa investir na informatização dos processos. O melhor passo para fazer isso é contar com uma boa plataforma para a gestão do seu estoque, facilitando a compra de peças e por fim, economizando tempo e dinheiro no longo prazo.

3. Padronize uma estratégia para a contagem

É fundamental que os valores dessa verificação sejam exatos! Por isso, nada melhor do que uma prática preventiva: recontar o estoque após uma contagem inicial. O objetivo aqui é assegurar que os resultados sejam os mesmos — confirmados, pelo menos, em duas contagens, sem divergências.

4. Automatize o procedimento

Como sempre, a tecnologia tem uma solução pontual para eliminar processos repetitivos. Semelhante com o que ocorre em uma loja de roupas, você pode investir em tags para as suas peças e produtos, desmagnetizando essa tarja após a validação de uma compra.

Quando esse processo é integrado ao software de gestão da sua loja, você ganha a segurança de operar com um sistema constantemente atualizado, podendo então abandonar o procedimento de recontagem ou, pelo menos, aumentar sua periodicidade, passando de diária para mensal, por exemplo.

Por fim, vale lembrar que na ausência de uma abordagem tecnológica, essa estratégia continua a ser a melhor opção para o acompanhamento dos seus itens, principalmente quando comparamos com o inventário geral — que custa mais tempo e esforço para sua realização.

Gostou deste post explicando o inventário rotativo? Lembrou-se de outra solução fundamental para o cotidiano da sua oficina? Então não perca a oportunidade de enriquecer a discussão com os colegas leitores, deixando o seu comentário abaixo!

Dúvidas, elogios e sugestões: deixe o seu comentário!